sexta-feira, 13 de maio de 2011

Leishmaniose em gatos




OCORRÊNCIA DE LEISHMANIA SP EM GATOS
 
INTRODUÇÃO
 
Apesar dos relatos da ocorrência de leishmaniose visceral em felinos, a literatura é muito escassa no que diz respeito à pesquisa de Leishmania chagasi em animais de áreas endêmicas, sendo possível que infecções em gatos sejam relativamente comuns em algumas dessas regiões.

Acredita-se que gatos infectados possuam certo grau de resistência natural à doença, provavelmente relacionada à fatores genéticos. Apesar da ocorrência de infecções esporádicas, os felinos não são considerados, até o momento, um reservatório importante da doença, havendo poucas informações quanto ao potencial desses animais servirem como reservatórios. Também são pouco conhecidas a prevalência, a transmissão e o quadro clínico da enfermidade nessa espécie. A primeira referência a leishmaniose felina data de 1756 quando Russel, no relatório de sua viagem à cidade de Aleppo, na Índia, descreveu que, além do homem e dos cães, os gatos eram acometidos pela doença. Casos esporádicos da enfermidade foram descritos a partir do século XX, notadamente nos países onde a infecção por Leishmania sp. é endêmica.

A primeira descrição de leishmaniose felina (LF) no mundo data de 1927, aproximadamente 2 séculos depois de Russel. Hoje em dia, apesar de ser considerada de rara ocorrência, nos últimos anos, houve um aumento no número de casos relatados em todo o mundo. Cerca de 30 casos foram reportados, sendo que 11 deles tiveram origem na América do Sul, dos quais 10 foram diagnosticados no Brasil.

Atualmente, o avanço nas técnicas de diagnóstico bem como a maior preocupação com a saúde dos animais de companhia, principalmente em países desenvolvidos, devem ter favorecido este aumento. Praticamente, as mesmas técnicas utilizadas para evidenciar a presença do parasito e/ou anticorpos contra eles utilizadas no diagnóstico da enfermidade em cães são aplicáveis aos felinos. No entanto, a LF é ainda pouco estudada em vários aspectos tais como prevalência, manifestações clínicas, transmissão do parasita ao vetor e espécies dos protozoários envolvidos. Além disso, há pouca informação sobre a real susceptibilidade e importância dos gatos na transmissão de Leishmania spp.

Todos estes fortes indícios podem levar a acreditar que a LF não seja comum, principalmente por não colocá-la dentro da suspeita clínica durante a realização de um atendimento no dia a dia da clínica de pequenos animais.
Alguns trabalhos publicados discorrem sobre a infecção de gatos domésticos por Leishmania spp, incluindo relatos de casos clínicos e inquéritos epidemiológicos, bem como infecção experimental e atratividade e preferência alimentar de alguns flebotomíneos com relação aos gatos.

Em um trabalho realizado em Araçatuba/SP (Claudio Nazaretian Rossi e colaboradores), foram colhidas amostras de soro de 200 gatos, encaminhados ao Centro de Controle de Zoonoses, bem como realizadas biópsias aspirativas de linfonodo, medula óssea, baço e fígado, utilizados para a confecção de preparados citológicos para a pesquisa direta de formas amastigotas de Leishmania sp. A prevalência da doença nessa população de gatos foi de 6,5%. Dos 200 animais avaliados, oito (4,0%) apresentaram resultado parasitológico positivo, seis (3,0%) apresentaram títulos sorológicos acima do ponto de corte pela técnica de ELISA e um (0,5%) evidenciou título superior ao ponto de corte (1:40) pela RIFI, totalizando 13 gatos considerados positivos.
 
SINAIS CLÍNICOS
 
O quadro clínico na leishmaniose felina é inespecífico e se assemelha ao quadro clínico observado na espécie canina, dificultando o diagnóstico. Sintomas como depressão, anorexia, emaciação, estomatite, gengivite, êmese, diarréia, hipertermia, desidratação, hepatomegalia, linfoadenomegalia local ou generalizada, lesões cutâneas, dermatite seborréica úlcero-crostosa, alopecia difusa, uveíte e atrofia da musculatura temporal já foram descritos como formas de apresentação da leishmaniose visceral em gatos, mas na grande maioria dos casos, se apresentam na forma de lesões cutâneas (93%) ulceradas e nódulos presentes na face, orelha, focinho (figura 1) e patas. São similares àqueles observados em outras doenças como criptococose e esporotricose, tornando-se então os diagnósticos diferenciais de grande importância. Eventualmente a doença pode assumir uma forma aguda típica e o animal evolui para o óbito em poucas semanas. As alterações hematológicas e bioquímicas encontradas em gatos doentes são similares às descritas para a espécie canina.
 
Fig. 1 – Leishmaniose cutânea em um felino – lesão no focinho (A) e orelha (B).
Fonte: Retirado do trabalho de SOUZA e colaboradores.
 
 
DIAGNÓSTICO
 
As alterações hematológicas e bioquímicas encontradas em gatos doentes são similares às descritas para a espécie canina. Os principais métodos sorológicos utilizados têm sido as técnicas de ELISA e RIFI, além da visualização das formas amastigotas extracelulares e intracelulares em esfregaços confeccionados a partir de lesões(figura 2).

Da mesma forma que a soroprevalência canina, a felina pode variar sensivelmente de acordo com a metodologia utilizada (amostragem, técnica sorológica e ponto de corte adotado) e com a região geográfica estudada. Além disso, os gatos podem ser mais refratários que os cães à infecção por Leishmania sp.

Evidências apontam que a leishmaniose felina pode estar associada a doenças imunossupressoras, tais como a leucemia (FeLV) e imunodeficiência (FIV) viral felina. O papel desses agentes precisa ser esclarecido, uma vez que em alguns estudos a presença de infecção por Leishmania sp. têm sido correlacionada com soroposititividade para FIV e/ou FeLV.

Para o diagnóstico da Leishmaniose Felina e diagnóstico diferencial, o TECSA laboratórios oferece a seus clientes as seguintes análises, indicando o material a ser coletado para cada uma delas:

 


Fig. 2 – Formas amastigotas extracelulares e intracelulares em esfregaços confeccionados a partir de lesões de um felino infectado.
Fonte: Retirado do trabalho de SOUZA e colaboradores.
 
 
EXAME COMPLEMENTAR / AMOSTRA
PRAZO
(dias)
PERFIL CHECK UP GLOBAL DE FUNÇÕES - sangue total colhido em tubo sem anticoagulante e plasma colhido em tubo com fluoreto.
01
HEMOGRAMA COMPLETO – sangue colhido em tubo com EDTA
0
Sorologia para Leishmaniose Felina – sangue total colhido em tubo sem anticoagulante;
02
Imunohistoquímica para Leishmaniose – fragmento de tecido em formol a 10%;
05
Pesquisa de Leishmaniose – punção de medula ou linfonodo ou imprint de lesão ulcerada em lâmina;
03
Pesquisa de Sporotrix schenkii – fragmento de tecido e/ou swab de lesão;
02
FIV - IMUNODEFICIENCIA FELINA - sangue total colhido em tubo sem anticoagulante
01
FELV - LEUCEMIA FELINA - sangue total colhido em tubo sem anticoagulante
01
Cultura para fungos – fragmento de tecido e/ou swab de lesão;
15
Biopsia de pele e coloração especial – fragmento de pele em formol a 10%;
05
PCR para Leishmaniose – Punção de medula ou linfonodo.
03
 
Referencias disponíveis com autor, se necessário consulte-nos."


RT - Dr. Luiz Eduardo Ristow CRMV MG 3708

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Leishmaniose: "Matar cães não resolve um problema que é de saúde pública e falta de prevenção adequada"

Vitor Marcio Ribeiro
Em publicação científica (Cadernos de Saúde Pública, 2004) foi registrado que entre os anos de 1993 a 1997, cerca de 13 mil cães tiveram resultados sorológicos falso positivos, e, portanto, foram mortos incorretamente, em Belo Horizonte. Uma verdadeira chacina cometida pelo poder público e que não teve punição, pois nada foi apurado pelos órgãos fiscalizadores de atuação dos profissionais responsáveis pelos exames, observou o professor e veterinário Vitor Márcio Ribeiro, durante a palestra “Leishmaniose Visceral: Previna e trate essa doença”, ocorrida no dia 10 de maio, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. “Se fosse um caso de erro médico, como uma tesoura esquecida na barriguinha de uma cadela, a punição não tardaria”, comparou o palestrante.

Ética De acordo com o professor, 50% dos animais soropositivos são assintomáticos, sendo impossível comprovar somente pelo exame sorológico, que esse animal está de fato infectado. Também por isso não se pode aceitar que se mate os animais baseados nesse exame. Os kits para a realização dos exames pelo método da Reação da Imunofluorescência Indireta (RIFI) para o diagnostico da infecção distribuídos pelo Ministério da Saúde aos laboratórios públicos e privados não são utilizados até a diluição final para cada animal, o que compromete a segurança do diagnóstico e mantém a maior probabilidade de falsos positivos por reações cruzadas com diversas condições. A diluição mínima 1:40 favorece o erro e não permite que esses animais possam ser controlados durante o tratamento. Conforme discutido durante a palestra, os exames realizados atualmente para detectar a doença nos levantamentos dos órgãos públicos nos cães pesquisam anticorpos, ou seja, podem sugerir se o cão teve contato com a Leishmania, mas não podem assegurar que ele esteja infectado, doente ou transmitindo o protozoário. “O teste sorológico não é parâmetro, a não ser que seja por diluição plena, demonstrando títulos elevados, acima de 1:160. Por tudo isso, matar cães como se faz no Brasil hoje em dia, como prevenção da Leishmaniose Visceral, não é ético, entre outras coisas, porque falta segurança no diagnóstico correto”, observou o professor e veterinário. 


O professor Vitor Ribeiro explicou que a Leishmaniose Visceral endêmica no Brasil desde os anos 50 é zoonótica e que o maior número de infectados está entre crianças e indivíduos imunossuprimidos, ou seja, aqueles com baixa imunidade, a exemplos de pacientes com HIV ou diabetes. O agente da Leishmaniose Visceral no Brasil é a Leishmania infantum, a mesma que provoca a doença na Europa, nos homens e cães. Em outras partes do mundo, como África e Ásia, quem provoca a Leishmaniose Visceral é a Leishmania donovani. Crianças e indivíduos com baixa imunidade são as vitimas mais freqüentes. O fato se agrava em função da pobreza e falta de condições de infraestrutura, pois a alimentação inadequada e as condições de vida são fatores que pioram o quadro de enfraquecimento do organismo.


Número de participantes surpreendeu positivamente os organizadores do gabinete do deputado Fred Costa (PHS)
Dengue X leishmaniose Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que anualmente ocorrem em torno de 500 mil novos casos por ano de Leishmaniose Visceral, com registro de 50 mil mortes. Em torno de 30% dos casos de Leishmaniose Visceral que ocorrem no mundo, são causados pela Leishmania infantum. A doença nos cães está praticamente em todo território nacional. Em humanos a doença tem grande gravidade. Só para se ter idéia, quando comparamos a Leishmaniose Visceral com a Dengue em Belo Horizonte, em 2010, verificamos que ocorreram 131 casos humanos de Leismaniose Visceral com 22 mortes. Em comparação ocorreram 51.775 casos de Dengue e, desses, 15 mortes. 

Matar cachorro não é solução Ocupando o topo da lista entre os países da América Latina que apresentam casos de Leishmaniose Visceral, com 90% dos casos, o Brasil se atrapalha na prevenção e exporta equívocos no combate à doença, conforme pontuou o professor e veterinário. A OMS, inclusive, em seu informe oficial, publicado em 2010, cita o país, como exemplo de estratégia inócua no combate à doença a partir do maciço e radical extermínio de cães.


Lâmina com recomendações para o controle do vetor
“É fato comprovado em estudos estatísticos, sem quaisquer apelos emocionais envolvidos, que matar cachorro é a estratégia de menor eficiência para o controle da doença. Estratégias voltadas para o controle do vetor e campanhas de vacinação são os métodos preventivos mais eficazes no combate à doença, conforme apontam os estudos científicos”, destacou o professor. 

Ainda de acordo com o palestrante, existe expectativa de que o Ministério da Saúde (MS) se posicione sobre a utilização das vacinas existentes no Brasil contra a doença nos cães, uma vez que conforme os estudos apresentados pelos laboratórios não parece existir dúvidas sobre suas eficácias e resultados. Parece haver receio de que a aprovação dos produtos resulte em gastos com campanhas nacionais de vacinação, que seguramente devem ser cobradas pela sociedade. Uma vez que, assim como no caso da raiva, uma zoonose que também acomete seres humanos, o MS realiza campanhas de vacinação em todo o país e o mesmo deveria ser feito em relação às vacinas de prevenção à leishmaniose. 


Palestra prendeu a atenção dos presentes
Forma de transmissão A transmissão da Leishmania infantum se dá pela picada da fêmea do flebótomo (mosquito), após ter picado, e se contaminado, em um animal ou até mesmo em um homem infectado. Portanto, explica o palestrante em tom de brincadeira, que não se pega leishmaniose pelo contato com o animal ou homem infectado, doente e em tratamento.Você pode beijar e ser beijado por alguém infectado, seu cachorro doente também pode lambê-lo que você não vai pegar a doença.

Além dos cães, outros reservatórios, como raposas, gambás, homens, ratos e gatos são descritos na literatura cientifica. É evidente que não dá para sair matando esses reservatórios, ressalta, observando, por exemplo, que matar gambás e raposas, animais da fauna nacional, é crime. A discussão aqui passa, sobretudo, pelo controle das populações de animais reservatórios, através da esterilização e métodos contraceptivos.


A reação dos donos que têm seu cachorro como membro da família é de escondê-los diante do método tirânico e ditatorial do poder público para retirar o cão do convívio com os familiares

Prevenção Como formas de prevenção à doença, o professor Vitor Ribeiro também destacou o uso de inseticidas centrados nos cães, como a coleira impregnada com deltametrina (a coleira Scalibor), inseticidas tópicos piretróides, inseticidas ambientais, manejo ambiental e evitar exposição dos cães fora de casa em horários crepusculares (início da manhã e fim de tarde) e noturnos, momentos em que a fêmea do flebótomo estará ativa para sua alimentação.

Uma vez infectado, a alternativa é o acompanhamento veterinário para seu tratamento, que, não é reconhecido pelo Ministério da Saúde, mas que vem sendo defendido cada vez mais pelos médicos veterinários, atentos à qualidade de vida e importância do cão nas famílias. O grande desafio do tratamento,reconhece Vitor Ribeiro, é o acompanhamento, pois ele requer o comprometimento do proprietário, ou seja, passa pela conscientização para a guarda responsável do animal, com o controle por toda sua vida e uso constante de produtos inseticidas, além dos medicamentos prescritos pelo veterinário.

(Texto e fotos: Nádia Santos, jornalista)




terça-feira, 10 de maio de 2011

Revista médica britânica lança série avaliando saúde pública brasileira

Publicação britânica destaca o estudo (Foto: The Lancet / reprodução)Publicação britânica destaca o estudo (Foto: The
Lancet / reprodução)


A revista médica britânica “The Lancet”, uma das mais influentes do mundo, publicou nesta segunda-feira (9) uma série de artigos sobre a situação da saúde pública no Brasil. Na avaliação dos pesquisadores, o país deu passos importantes desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1988, e houve melhoras significativas neste período.
O documento é “uma ampla revisão sobre a saúde e a assistência médica de nossa população”, preparado por uma equipe de 29 especialistas em saúde pública, e destaca sucessos e fracassos das políticas implementadas.
“O principal sucesso é o fato de que toda a população pode ter acesso à saúde pública, o que não é comum nos países como o Brasil”, disse ao G1 o epidemiologista Cesar Victora, da Universidade Federal de Pelotas (RS), que coordenou o projeto.
O principal sucesso é o fato de que toda a população pode ter acesso à saúde pública, o que não é comum nos países como o Brasil"
Cesar Victora, coordenador da série
Os estudos avaliaram a saúde pública brasileira por cinco aspectos: sistema de saúde, saúde das mães e das crianças, doenças infectocontagiosas, doenças crônicas não transmissíveis e violência e lesões físicas.
Entre os destaques positivos, os médicos mostram que o país reduziu significativamente a mortalidade causada pela doença de Chagas, pela esquistossomose, pela diarreia infantil e pela Aids. A vacinação funciona bem e, segundo Victora, o Brasil é um “exemplo” nessa área. Houve progresso significativo em relação à maioria dos aspectos citados nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, documento das Nações Unidas.
Por outro lado, a dengue e a leishmaniose visceral foram consideradas fora de controle. A saúde das mães também é uma preocupação, pois há muitos abortos ilegais e os partos são “hipermedicalizados” – metade é de cesarianas. O avanço da obesidade e das doenças relacionadas a ela também foram citados, assim como o alto número de mortes violentas, seja por crimes ou por acidentes.
Por fim, os autores sugerem uma série de ações ao governo, aos trabalhadores de saúde, ao setor privado, às universidades e outras instituições de pesquisa e formação e à sociedade civil, como formas de melhorar a saúde pública nacional. “O desafio é, em última análise, político e requer a participação ativa da sociedade, na perspectiva de assegurar o direito à saúde para toda a população brasileira”, diz o texto.
Fonte: G1

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Marília - Suspeitas de Leishmaniose colocam Saúde em alerta



Se confirmado o tipo mais sério da doença, Marília passa a integrar o grupo de risco


Marília tem três casos suspeitos de Leishmaniose. A informação é da Divisão de Zoonoses da Secretária Municipal da Saúde. Duas das ocorrências em cães foram detectadas em bairros da zona norte e um no distrito de Padre Nóbrega. Saúde está em alerta e se forem confirmados os casos, os animais terão que ser sacrificados para que não haja risco de transmissão entre a população.
Ainda não sabe se trata-se do tipo mais perigoso da doença a LVA (Leishimaniose Viceral Americana) que nunca existiu na cidade ou da cutânea/tegumentar. “Na sorologia deu positivo para leishimaniose, agora aguardamos resultado do exame que especifica o tipo”, afirma o coordenador da Divisão de Zoonoses, Lupércio Garrido.
Os casos foram confirmados em demandas de rotina dos agentes de saúde, tendo sido enviado material ao IAL (Instituto Adolfo Lutz). Se confirmado o tipo mais sério da doença, Marília passa a integrar o grupo de risco de transmissão.

Ainda de acordo com o coordenador neste ano foi enviado inquérito com exames feitos em 78 cães na zona leste- área de mata- todos tiveram resultados negativos. No ano passado casos importados já foram detectados em Marília. “Nestes casos os cães são submetidos à eutanásia, já que não existe tratamento para os animais”, diz Garrido.
A Leishamaniose é transmitida pelo mosquito palha que transfere o parasita ao se alimentar de sangue de animais reservatórios infectados, para pessoas e animais. O mosquito se reproduz em matéria orgânica em decomposição como fezes de animais e frutas podres. “Por isso a limpeza e higiene de quintais é atitude mais importante para prevenção”, frisa Garrido.
No ser humano, o tipo cutâneo caracteriza-se pela formação de feridas na pele. Já a LVA, forma mais severa da doença, se caracteriza por acometer vários órgãos internos, entre eles o fígado e o baço.